quinta-feira, 19 de abril de 2018

Por que as situações ficam difíceis?




Situações difíceis são o que chamamos sofrimentos; sofrimentos menores e os maiores.
Na verdade, insatisfação em vários graus.
A insatisfação está sempre ligada a apegos.
  1. Apegos às gratificações sensoriais: prazeres físicos, SENSAÇÕES agradáveis, que vão fortalecendo os “vícios”. Somos viciados em sensações; somos viciados em desejar. Assim que satisfazemos um desejo, criamos outro. Por isso a felicidade está sempre adiante. O objeto do desejo não é tão importante. O que importa mesmo é o que este objeto produz em nós. Sejam relações, comidas, visitas, hábitos etc.
  2. Outro grande apego é ao EU, EGO = imagem que temos de nós mesmos. E que trabalho dá defender essa identidade que pensamos ser... que trabalho manter a imagem e impressionar com ela. E quando ela se sente ameaçada....sai de perto!
  3. O próximo apego é ao MEU, ampliamos o campo a tudo que nos pertence: filhos, território, títulos etc. Mas... como tudo é impermanente, esse “meu” é falso. Nada é meu, eu apenas “ganho” o direito de conviver com e nas coisas.
  4. O apego vai ainda mais longe; vai até as CRENÇAS. Que trabalho defender as crenças, opiniões, pontos de vista e tentar comprova-los; e que sensação ruim ao ouvir críticas e não ser aceito!
  5. Por último o apego às RELIGIÕES E FILOSOFIAS. Esquecemos que a importância fica na essência, no seu significado fundamental e que o aspecto formal é apenas uma casca. Importante é com que mente fazemos as práticas, as intenções que nos motivam: atenção aos outros, bondade, ausência de preconceitos sem expectativas.

Quando caímos na armadilha de qualquer desses apegos, é certo que vamos ficar tristes e sofrer.
Como exercício observe as pessoas que estão atrapalhadas em seus sofrimentos e confira em que apego estão presas.                                                                                  

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Perdoar não é esquecer




Não é esquecer, é libertar.
Libertar a nós mesmos do passado.
Libertar outros para que sigam seu caminho em busca da felicidade e nós o nosso para tentar ser feliz.
Não perdoar ou sentir dificuldade para perdoar é como uma vingança; uma vingança de não dar oportunidade ao outro ser feliz.
Que engano! Quando não conseguimos perdoar somos nós que ficamos sem poder ser feliz com leveza e fingimos a felicidade.
Mas, como dizia Buda, vingança é uma pedra em brasa que antes de ferir o outro, queima nossa mão.
Mas existem situações difíceis de perdoar.
Há muitos anos aprendi uma frase que ajuda.
Quando caio na armadilha de tristeza por algo que vivi com um “Mestre de treinamento”, ou uma “Pessoa Famosa” repito, repito, repito:
“Eu te perdoo......(nome) por não ser o(a).......(amigo(a), marido, filho (a), chefe, vizinho, Mestre etc) que eu esperava que você fosse.”
Eles são o que podem ser.
Eu sou o melhor que consigo ser.
E...tudo passa.

quinta-feira, 5 de abril de 2018

A Caminho de La Paz




É um filme argentino que vive o encontro entre um motorista e um islamita a caminho de Meca.
Nesse caminho acontecem outros vários encontros interessantes que pode ser uma boa reflexão.
Numa das reuniões religiosas o Mestre comenta:
No tripé da falsa personalidade (identidade) o caráter é formado por medo, preguiça e orgulho.
Medos, todos temos; medo de adoecer, de ser assaltado etc
Orgulho, todos temos; é a importância pessoal.
Preguiça, é o que fazemos tentando ficar sempre na superfície, atitude de não querer aprofundar, de não querer saber mais sobre a vida e a morte.

Sabedoria, a Verdade, não tem fronteiras.                                                                                   

quinta-feira, 29 de março de 2018

Liberando tensões e medos




Como se liberar dessas sensações aflitivas que nos engaiolam?
A gente tem pressa de se livrar disso; mas, muitas vezes, quanto mais tentamos mais elas ganham importância. Vão ganhando importância e espaço.
Então aqui vai uma sugestão que deu certo para mim e para outras pessoas.

Depois de fazer respirações profundas, adote um ritmo de respiração tranquilo, sem esforço.
Imagine que sua mente é um espaço aberto, vasto, expansivo e sem fronteiras. Pense em seus pensamentos, sentimentos, emoções, expectativas e medos como nuvens, que se formam e depois desaparecem nesse vasto espaço aberto.
Perceba que todos esses pensamentos (“eu queria estar mais calmo”, “ele disse isso e aquilo”, “não posso esquecer de fazer isso, etc etc...”) e todas as emoções (“me sinto inquieto...magoado...confuso) são insubstanciais como as nuvens.
Imagine que eles vão surgindo, um por um, e desaparecendo na amplidão limitada de sua mente.
Depois descanse um pouco, mantenha-se nesse espaço, sinta-se calmo e relaxado – ou, pelo menos, imaginando se sentir assim.
Fique em silêncio desse jeito de um a dois minutos.

Assim aprendi com Thupten Jinpa.


quinta-feira, 22 de março de 2018

Quem pode ajudar?




Em meio às aflições é inteligente buscar ajuda.
Ajuda de um médico, um terapeuta, um professor... confiável.
Alguém que ouça com interesse, sem preconceitos, sem julgamento.
Alguém que possa oferecer uma saída viável.
A questão é que a solução, o alívio sempre vai contar com nossa participação.
A questão é que o assunto não se resolve fora, o assunto é sempre interno.
Não dá para mudar fora, mas dá para mudar nossa posição.
Aí tem um texto que Shantideva, autor budista indiano do século VIII , oferece  uma analogia:
“se tentássemos cobrir a face da Terra com couro para proteger nossos pés, onde encontraríamos couro suficiente? Em vez disso, podemos cobrir a sola de nossos pés com sapatos de couro e atingir o mesmo propósito. A melhor solução para um problema é aquela que você pode encontrar dentro de si.”
                                                                                 

quinta-feira, 15 de março de 2018

Na hora da indignação




Sabe aquele momento que você percebe a falta de bom senso da pessoa? Do absurdo em que ela está caindo?
Aí dá aquela raiva... dá uma revolta...uma indignação.
Reagimos... até muitas vezes por amor; por um amor aflito.
Chega aquele momento em que é a gente que está “pondo o pé na jaca”, “botando a pata na poça”, “rodando a baiana” na hora imprópria, escolhendo um tratamento diferente etc etc. Você conhece esses momentos.
Às vezes são escolhas e mudanças que fazemos que não agrada a todos.
É tão confortável quando encontramos alguém sensível às nossas necessidades.
Principalmente nas relações de maior intimidade em que um dos lados se sente mais vulnerável como é bom encontrar quem nos ofereça sua bondade e compreensão, não julgamento e recriminação.
Quando alguém já está com medo e inseguro de que adianta a gente dizer: “onde você
estava com a cabeça? Eu falei!” é a última coisa que se deve dizer.
Mesmo que você esteja certo, às vezes não é hora de estar certo.
Não se deve penalizar alguém que já está sendo punido.
“Não se deve chutar cachorro morto.”
Thupten Jinpa, me relembrou isso na hora certa. Serve para todas as outras horas.                                                                                    

quinta-feira, 8 de março de 2018

Egoísta ou generosos(a)


 Egoísta ou generoso

Relendo a biografia de Flavio Gikovati reencontrei sua proposta de olhar os papeis que as pessoas praticam nas relações; relações divididas em 2 blocos:
os generosos e os egoístas.
Relações são experiências desafiadoras.
É um jogo.
E esse jogo é mediado por véus carmicos, marcas mentais impulsivas.

O generoso quer agradar, se esforça por agradar, sente a necessidade de estar disponível, se sente culpado por não agradar totalmente. Sente necessidade do reconhecimento, é carente.
O egoísta, é acomodado, se sente importante, insatisfeito, pouco interessado em conhecer o outro, reclama sempre que não recebe atenção, demonstra insatisfação e críticas constantemente. Carente, nunca quer estar só.
Diferente do individualista, que curte viver só.

Nessa relação, generoso/egoísta, a neurose dita as regras.

A lucidez do autoconhecimento nos libera desse jogo, o reconhecimento das nossas carências e dos complexos de inferioridade e dependência que nos afligem consegue reconstruir nossa autonomia.
Essa autonomia nos coloca numa posição adulta nas relações.
Entender o jogo promete a sensação de liberdade interior.


"Pouco importa o julgamento dos outros. Os seres são tão contraditórios que é impossível atender às suas demandas, satisfazê-los. Tenha em mente simplesmente ser autêntico e verdadeiro..."
Dalai Lama.